Notícias

CIJ repudia reforma que pretende acabar com vagas para jovens aprendizes

06/09/2018

A Coordenadoria da Infância e Juventude (CIJ) do Poder Judiciário participou de um manifesto na sede da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de Mato Grosso (SRTE-MT), dia 28 de agosto, contra a revisão da Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) proposta pela Confederação Nacional das Indústrias (CNI). Representantes de diversas entidades estiveram presentes no encontro que culminou na divulgação de uma carta de repúdio contra a reforma (leia aqui). 

A proposta de modificação prevê acabar com 700 mil vagas para jovens aprendizes no país. “Isso significaria um retrocesso e afetaria diretamente os adolescentes que podem ser inseridos no mercado de trabalho com curso de qualificação profissionalizante”, avaliou a psicóloga da CIJ, Ziza Cury Komochena, que também representou o Fórum Estadual de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (Fepeti) no encontro. 

Ziza ressaltou ainda que a redução da cota de aprendizagem poderá implicar na exploração do trabalho infantil, de forma precária e ilegal. Além disso, o programa de aprendizagem reduz significativamente a evasão escolar, já que exige matrícula e assiduidade escolar.

Saiba mais - Segundo o Ministério do Trabalho, a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO) é um documento que retrata a realidade das profissões do mercado de trabalho brasileiro. Acompanhando o dinamismo das ocupações, a CBO tem por filosofia sua atualização constante de forma a expor, com a maior fidelidade possível, as diversas atividades profissionais existentes em todo o país. Seus dados alimentam as bases estatísticas de trabalho e servem de subsídio para a formulação de políticas públicas de emprego.

Os trabalhadores sentem-se amparados e valorizados ao terem acesso a um documento, elaborado pelo governo, que identifica e reconhece seu ofício. As inclusões das ocupações na CBO têm gerado, tanto para categorias profissionais quanto para os trabalhadores, uma maior visibilidade, um sentimento de valorização e de inclusão social.


Assessoria de Comunicação CGJ-MT 
corregedoria.comunicacao@tjmt.jus.br 
(65) 3617-3571/3777